O que é a cirurgia ortognática?

A cirurgia ortognática é um procedimento necessário para corrigir e reposicionar os ossos da mandíbula, e, por consequência, o posicionamento dentário de pacientes que apresentam diferentes graus de assimetria na região

Quando a cirurgia ortognática é recomendada?

Geralmente, os fatores que desencadeiam anomalias do crescimento ósseo na região têm causas genéticas, e quando são acentuadas, acabam causando a desarmonia na estrutura do maxilar. Como se trata de um problema originado nos ossos, a sua correção precisa ir além do tratamento com aparelhos ortodônticos.

Por se tratar de uma solução definitiva para solucionar a assimetria óssea, a cirurgia ortognática requer um planejamento prévio cuidadoso por parte do dentista, do ortodontista e do paciente. É comum que o uso de aparelho ortodôntico anteceda o procedimento, pois o dispositivo auxilia no posicionamento estratégico dos dentes antes da realização do reposicionamento dos ossos da parte inferior da face.

PRÉ OPERATÓRIO

PÓS OPERATÓRIO

PROGNATISMO

O prognatismo mandibular consiste em uma desarmonia facial envolvendo ossos, dentes e músculos. É caracterizado pelo excesso de crescimento mandibular (arcada inferior) em relação à maxila (arcada superior), causando uma mordida cruzada anterior e um perfil facial côncavo.

IMAGEM LUSTRATIVA

RETROGNATISMO

PÓS OPERATÓRIO

IMAGEM LUSTRATIVA

O Retrognatismo Mandibular se manifesta pela falta de desenvolvimento da mandíbula dando ao paciente a aparência de “queixo pequeno”, com a face convexa. Esse problema é, na maioria das vezes, mais difícil de ser percebido por parte do indivíduo. Como a região inferior da face é pouco projetada, a região nasal torna-se mais proeminente, dando a falsa impressão de nariz grande, além de acúmulo de tecidos moles (papada) na região do pescoço, pela falta de suporte ósseo. O avanço mandibular harmoniza o terço inferior da face com o nariz e pescoço.

PRÉ OPERATÓRIO

Como ela é feita?


Na maioria dos casos, a cirurgia é realizada por dentro da boca. Raramente é feita com corte no rosto. O procedimento consiste basicamente em “soltar” o maxilar superior, o inferior (mandíbula) ou o queixo – e, às vezes, todos eles. A fixação na nova posição é feita com placas e parafusos geralmente de titânio.

A técnica proporciona modificações estéticas muito positivas para a harmonia da face. Uma das maiores vantagens dessa técnica é a ausência de cicatrizes, pois a intervenção é realizada na parte interior da boca.